- Todas as fotografias são propriedade dos autores, que detêm todos os direitos. O seu uso é proibido sem prévia autorização.
- All photos are propriety from the producers , and they have all copyrights. Downloads are forbidden without previous permission.

11/10/2017

Fotografar com luz natural

Fotografar com luz natural

Eu sou apologista da fotografia com luz natural!
Claro que, por vezes, tal não é de todo possível, ou então o uso de uma forma de luz extra é recomendado para dar à foto o efeito pretendido, mas uma quantidade de luz extra não garante, só por si, uma boa fotografia.
No caso da fotografia no exterior, é claro para todos que as horas em que o sol está a pique não são o melhor momento para se fazer um retrato. Isso daria uma imagem com fortes contrastes, sombras muito duras, e muito pouco apelativa; a não ser que se aproveitasse para fotografar numa sombra, fazendo algum contra luz com umas silhuetas interessantes.
Por outro lado, as horas em que o sol se encontra mais baixo, logo pela manhã, ou pelo fim da tarde, são alturas muito boas para fazer retratos com um excelente ambiente.
Mas o melhor de tudo é aproveitar os dias nublados, em que a luz é difusa, e nos dá umas cores mais brilhantes e recortes muito mais suaves.
Na minha humilde opinião, a melhor hora para um retrato de exterior com luz natural, é mesmo a chamada “hora dourada”  (final do dia) de um dia enevoado.
E quanto a fotografia em interiores?
Bom, em interiores não existe uma hora, nem uma regra, nem mesmo um local, recomendado para se fotografar com luz natural.
O mais importante é escolhermos um local com algumas entradas de luz natural, e conhecermos bem o mesmo, para que possamos saber como a luz se comporta durante as várias horas do dia, e nos diferentes tipos de condições climatéricas (dia de sol, nublado, chuvoso, etc.).
Podemos assim tirar partido de vários tipos de iluminação natural, e conseguir vários tipos de ambiente

03/10/2017

O que é o número guia de um flash


Quase todas as câmaras fotográficas têm incluído uma unidade de flash, no entanto, essas unidades têm características técnicas substancialmente diferentes.
A sua diferença fundamental está no número guia, uma referência que nos indica o alcance máximo do flash, em função de uma determinada abertura do diafragma e da sensibilidade ISO usada.
O valor do número guia pode ser representado pela seguinte formula:

NG= D x f
Onde
NG – número guia; D – distancia entre a câmara e o motivo; f – a abertura usada.
O NG é sempre calculado tendo por base um ISO 100.
Vejamos um exemplo:
Vamos supor que queremos iluminar um modelo que se encontra a 5 mts da câmara, e que dispomos de um flash com um NG 20.
Neste caso, e fazendo uso da fórmula, para sabermos qual a abertura a usar, teremos:
f=NG/D    ou seja: f=20/5 o que nos daria um f4
Quer isto dizer que, usando um flash com um NG 20, um ISO 100, e uma abertura f4, o nosso modelo a 5 mts da câmara ficaria corretamente iluminado.
Se, por outro lado, quisermos saber até que distância o nosso flash consegue uma iluminação correta, supondo que a abertura máxima da nossa lente é de 2.8 (uma abertura já muito generosa e não existente em todas as lentes), e o nosso flash tem um NG 20, teremos:
D=NG/f         ou seja:    D=20/2,8     o que nos dá aproximadamente 7,14 mts.
Normalmente os NG dos flashes incorporados nas câmaras são muito pequenos (6 m (ISO 100) nas compactas e 12 m (ISO 100) nas reflex), e, se quisermos cobrir maiores distâncias teremos que ir para unidades de flash externas, onde poderemos ter, por exemplo, até NG 55 m a ISO 100.
A distância de cobertura do flash pode ser aumentada de três formas: aumentar a abertura do diafragma (usar um f mais baixo), para deixar entrar mais luz; aumentar a sensibilidade ISO, para que a luz emitida pelo flash seja mais facilmente registada pelo sensor, ou usar um flash com um NG mais alto.
A velocidade do obturador não tem influência na distância iluminada pelo flash, pois a duração do disparo deste é tão curta (1/1000 a 1/10.000 seg) que o tempo de exposição é sempre maior.
No entanto, a variação da velocidade do obturador vai ter efeito no registo da restante luz existente na cena, clareando (velocidade mais lenta),ou escurecendo (velocidade mais rápida),todo o ambiente que rodeia o modelo.

01/07/2017

Exposição Fotografia e Ilustração

Exposição de Fotografia e Ilustração 
José Pomar e Mike Moka no Café Quala - Urbisado Setúbal 
Durante os meses de Julho e Agosto